11/06/2019 às 15h56min - Atualizada em 11/06/2019 às 15h56min

Polícia Civil prende suspeitos de torturar mulher a mando de detento

Por ciúmes, o preso Renato da Silva Lima teria pedido para que membros da mesma facção torturassem vítima

- Fonte: Gazetaweb
Mulher foi identificada após imagens serem divulgadas nas redes sociais FOTO: REPRODUÇÃO
 

Dois homens foram presos durante uma operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), na manhã desta terça-feira (11), no bairro do Bom Parto, em Maceió. De acordo com os delegados Thiago Prado e Fábio Costa, eles são suspeitos de participar de uma sessão de tortura contra a mulher de um preso que, por ciúmes, teria ordenado o crime de dentro do Sistema Prisional de Alagoas.

Nas imagens divulgadas pela Polícia Civil (PC), Experdito Correia de Araújo, conhecido como Sula, de 38 anos, e Frankle Jossimo Lopes de Lima, conhecido como Geraldinho, de 27 anos, cortaram o cabelo da vítima e agrediram a mulher com pauladas nos braços e nas pernas, a mando do preso identificado como Renato da Silva Lima.



Mulher foi agredida por comparsas do próprio
companheiro | Reprodução / Vídeo

 
Os vídeos das agressões chegaram aos delegados Thiago Prado e Fábio Costa, que identificaram os agressores. Experdito e Frankle já possuíam passagens pela polícia por tráfico de drogas e estavam em liberdade condicional. 
As investigações da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) dão conta de que Renato, que é integrante de uma facção criminosa, teria determinado que os comparsas torturassem a mulher e filmassem todo o crime, que teria sido transmitido via celular para ele, no dia 3 de junho.
 

Com Frankle, foi encontrado um tablete de maconha prensada e uma balança de precisão. A investigação segue para prender outros suspeitos de envolvimento na organização criminosa. A polícia pede que a população denuncie através do Disque Denúncia - 181


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que deve ser feito com os prédios abandonados de Maceió que oferecem riscos à saúde pública e à vida das pessoas?

73.2%
26.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp