31/05/2019 às 20h18min - Atualizada em 31/05/2019 às 20h18min

Taxa de fumantes volta a subir em Maceió, aponta levantamento

Índice passou de 6,5% em 2017 para 6,9% em 2018. Dados da Vigitel mostram que capital alagoana tem apresentado oscilação desde 2015.

- Fonte: G1 AL
Taxa de tabagismo em Maceió é menor que a do país — Foto: Reprodução EPTV

A taxa de fumantes em Maceió voltou a crescer em 2018, mas ainda se mantém entre a minoria da população, passando de 6,5% em 2017 para 6,9% em 2018. A capital alagoana tem apresentado oscilação neste índice desde 2015. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira (31), data em que se celebra o Dia Mundial Sem Tabaco.


As informações são do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), que entrevistou 2.051 pessoas na capital alagoana, sendo 704 homens e 1.347 mulheres. A pesquisa completa ainda não foi divulgada.


Se considerados os anos anteriores da pesquisa, a taxa mais recente ainda é menor que a registrada no início da década, 12,3% em 2010.


Porém, a tendência de queda desde 2012 foi interrompida em 2016, quando o índice subiu novamente, e desde então tem oscilado ano após ano.

A taxa de fumantes em Maceió nos últimos anos:

 

  • 2018: 6,9%
  • 2017: 6,5%
  • 2016: 7,2%
  • 2015: 7%
  • 2014: 7,2%
  • 2013: 8,8%
  • 2012: 9,5%
  • 2011: 7,8%
  • 2010: 12,3%

 

 

Fumantes no Brasil

 

A pesquisa foi realizada em todas as capitais brasileiras e no Distrito Federal. Mesmo com a alta em Maceió, a capital alagoana ainda tem uma taxa abaixo da nacional, que foi de 9,3%.

Em 2006, ano da primeira edição da pesquisa, esse índice era de 15,6% no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, isso reforça a tendência nacional observada, ano após ano, de queda constante deste hábito nocivo para a saúde.


As capitais com mais fumantes são Porto Alegre (14,4%), São Paulo (12,5%) e Curitiba (11,4%). As que têm menos fumantes são Salvador (4,8%), São Luís (4,8%) e Belém (4,9%).


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que deve ser feito com os prédios abandonados de Maceió que oferecem riscos à saúde pública e à vida das pessoas?

73.2%
26.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp