23/05/2019 às 22h45min - Atualizada em 23/05/2019 às 22h45min

PM tentou atrapalhar investigações sobre a morte Marielle, aponta relatório

Polícia Federal afirma que policial militar conhecido como Ferreirinha plantou uma testemunha. Ele pode ser preso por falso testemunho.

- Fonte: Gazetaweb
A PF afirma que o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, criou uma história com a finalidade de confundir as autoridades FOTO: RENAN OLAZ/CMRJ


Um relatório da Polícia Federal (PF) da investigação da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes aponta um policial militar como responsável por atrapalhar os trabalhos da polícia.

A PF afirma que o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, criou uma história com a finalidade de confundir as autoridades - e aproveitou a trama para se vingar.

Ferreirinha é ex-aliado de Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, a quem acusou de tramar o atentado, ao lado do vereador Marcello Siciliano. Ambos sempre negaram envolvimento.

O atentado completou 14 meses este mês. A Polícia Civil afirma ter prendido os assassinos, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz. O inquérito, no entanto, não aponta os mandantes.

MP pode pedir prisão de PM

Dodge pediu que a PF apurasse a conduta de agentes das polícias Civil e Federal no caso após indícios de irregularidades. O relatório tem 600 páginas.

Cabe, no entanto, ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) apresentar denúncia ou não contra Ferreirinha. Ele pode ser preso por falso testemunho, segundo aponta a investigação da PF.

A informação foi inicialmente publicada pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, e confirmada nesta quinta-feira (23) pela TV Globo.

De testemunha-chave a investigado

Durante meses, Ferreirinha foi considerado a principal testemunha do Caso Marielle. Em delação, o PM apontou Orlando e Siciliano como mandantes das mortes.

Em março, a TV Globo mostrou com exclusividade o depoimento da advogada de Ferreirinha à PF. Camila Nogueira disse que desconfiava da versão apresentada pelo cliente e que se sentiu usada.

A advogada esclareceu que "essa criação de Rodrigo Ferreira e a manipulação com os policiais civis que fez com ela foi mais um dos fatos que levaram a declarante a ter medo de ficar nessa situação".

Os delegados da PF que apresentaram Ferreirinha como testemunha também foram investigados, assim como alguns policiais civis. O relatório não aponta nada contra eles.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que deve ser feito com os prédios abandonados de Maceió que oferecem riscos à saúde pública e à vida das pessoas?

73.2%
26.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp