11/05/2019 às 08h11min - Atualizada em 11/05/2019 às 08h11min

Mais de 70% dos feminicídios registrados em AL desde 2015 foram esclarecidos, diz polícia

Dados divulgados pela Polícia Civil mostram que 89 dos 117 casos registrados entre 2015 e abril de 2019 foram elucidados.

- Fonte: G1 AL
Polícia de Alagoas informou nesta sexta-feira (10) que esclareceu 76% dos casos de feminicídio registrados no estados nos últimos 14 anos — Foto: Foto: Editoria de Arte/G1

Dados divulgados pela Polícia Civil (PC-AL) nesta sexta-feira (10) mostram que 76% dos casos de feminicídios em Alagoas, registrados entre 1º de janeiro de 2015 e 30 de abril de 2019, foram esclarecidos.

O levantamento mostra que no período foram registrados 117 homicídios contra mulheres. Destes, 89 foram resolvidos.

Ainda segundo a PC, em Maceió e região Metropolitana, houve 40 assassinatos de mulheres, e 31 foram esclarecidos (78% do total). Já na região Norte, foram 26 homicídios e 16 elucidações (62% do total).

No Agreste e Baixo São Francisco, a polícia registrou 33 casos e elucidou 27 (82% do total). O Sertão foi o que apresentou o maior índice de elucidações, com 15 das 18 ocorrências esclarecidas.

O delegado-geral Paulo Cerqueira avalia que esses números são resultado de um esforço de delegados, agentes e escrivães, que estão aprimorando seus métodos de investigação e dando a atenção devida a esses crimes contra as mulheres, especialmente os homicídios.

Além disso, uma força-tarefa foi criada para agilizar a apuração destes crimes, com o objetivo de prender os suspeitos nas primeiras 24 horas após as ocorrências. Os trabalhos são monitorados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-AL).

Assim sendo, delegados da capital e do interior podem solicitar apoio de grupos operacionais especiais da PC, como a Asfixia e o Tático Integrado de Grupos de Resgates Especiais (Tigre).

A polícia também aponta a criação do Núcleo de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUDEM), que funciona no 12º Distrito Policial (DP), em Rio Largo, como um fator importante para a resolução destes crimes.

Alagoas tem 3 Delegacias Especializadas de Defesa dos Direitos da Mulher (DDMs), sendo duas em Maceió e uma em Arapiraca. Apenas no ano passado, elas realizaram 2.357 atendimentos, a maioria deles envolvendo ameaça (1.170). Houve ainda 830 casos de lesão corporal e 243 de injúria, e outras denúncias de dano, calúnia e difamação, segundo dados da Assessoria Técnica de Estatística da PC. 

A PC orienta que nos municípios onde não haja delegacia especializada, as mulheres vítimas de violência devem buscar atendimento nas distritais.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que deve ser feito com os prédios abandonados de Maceió que oferecem riscos à saúde pública e à vida das pessoas?

73.2%
26.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp