27/06/2019 às 17h45min - Atualizada em 27/06/2019 às 17h45min

MPT/AL apresenta proposta, mas jornalistas vão definir rumos da greve em assembleia

Nova audiência foi marcada para 29 de julho; categoria deve informar decisão até sexta (28)

- Tribuna Hoje / Texto: Bruno Martins
Audiência entre jornalistas em greve e empresas de comunicação na sede do MPT/AL (Foto: Edilson Omena)
 

Terminou no Ministério Público do Trabalho em Alagoas (MPT/AL) a audiência entre os jornalistas em greve e as empresas de comunicação. A proposta feita pelo MPT/AL foi aceita pelas empresas, porém a categoria vai definir os rumos da greve em assembleia no Sindicato dos Jornalistas de Alagoas (Sindjornal) que deve ocorrer ainda nesta quinta-feira (27). A decisão deve ser comunicada até a sexta-feira (28). Nova audiência entre as partes no MPT/AL foi marcada para o dia 29 de julho, uma segunda-feira.

O representante do Sindjornal na reunião, presidente Izaías Barbosa, afirmou que o sindicato enviou proposta de Acordo Coletivo de Trabalho para as empresas no mês de fevereiro do corrente ano e que no mês de abril, o órgão foi surpreendido com a proposta das empresas de redução do piso da categoria em 40%. Foram feitas oito propostas às empresas, sempre reduzindo conquistas da categoria e no intuito de evitar a redução do piso salarial proposto, já que o maior receio da categoria é a substituição gradual dos profissionais compõem as empresas de comunicação atualmente por outros que venham a ser remunerados pelo piso proposto pelas empresas.

Já o representante da TV Pajuçara, Leonardo Palmeira Sampaio, disse que o mercado de telecomunicações enfrenta uma situação crítica e que o piso dos jornalistas de Alagoas é o segundo maior do Brasil. Ele também alegou que a receita do Sistema Pajuçara foi reduzida em 50% e que a ideia da empresa não é a redução do piso, mas a existência de pelo menos três faixas progressivas de salário.

De acordo com a ata da audiência, foram quatro itens apresentados na proposta do MPT/AL. São eles:

1) Encerramento do movimento grevista a partir da meia-noite de hoje (27/06/19);
2) manutenção provisória do Acordo Coletivo de Trabalho vigente, em todos os seus termos, pelo prazo de 60 dias;
3) prazo de 30 dias para apresentação do valor referente as três faixas de um plano salarial a ser elaborado pelas empresas, ficando desde já combinado que a apresentação do valor será acompanhada da definição do percentual de profissionais que será inserido em cada uma das faixas;
4) garantia de emprego pelo prazo de seis meses, contados a partir da data da deflagração da greve (25/06/19).

As empresas presentes à negociação; Organização Arnon de Mello (OAM) – Gazeta de Alagoas, Sistema Pajuçara de Comunicação – TV Pajuçara e o Sistema Opinião – TV Ponta Verde; concordaram com os termos.193

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que deve ser feito com os prédios abandonados de Maceió que oferecem riscos à saúde pública e à vida das pessoas?

73.2%
26.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp