06/06/2019 às 13h42min - Atualizada em 06/06/2019 às 13h42min

De volta ao lar. Após 36 dias de internação, Mel e Lis recebem alta

As crianças, ligadas pela cabeça, foram separadas após uma cirurgia delicada e ficaram em recuperação no Hospital da Criança de Brasília (HCB) por 36 dias

https://www.metropoles.com/distrito-federal/de-volta-ao-lar-apos-36-dias-de-internacao-mel-e-lis-recebem-alta
internet

Divulgação/Hospital da Criança

Divulgação/Hospital da Criança







Boa notícia para começar a semana. Nesta segunda-feira (03/06/2019), as gêmeas siamesas Lis e Mel recebem alta médica e, finalmente, poderão voltar para casa. Elas passaram 36 dias internadas após uma delicada cirurgia de separação total feita no Hospital da Criança de Brasília (HCB). A evolução no quadro clínico das pequenas impressionou a equipe médica da unidade de saúde e foi motivo de comemoração. A intervenção, inédita na capital do país, mobilizou dezenas de profissionais.

Embora ainda necessitem de cuidados pós-operatório, os médicos dizem que tais procedimentos podem ser feitos na residência das meninas, em Ceilândia. A história das meninas ligadas pelo crânio comoveu o país. Em recuperação no HCB, as crianças fizeram aniversário de 1 ano no leito e ganharam festinha com bolo, balões e decoração.

Na manhã desta segunda-feira (03/06/2019), a equipe médica do HCB concederá uma coletiva de imprensa para explicar detalhes da cirurgia bem-sucedida. Os pais das meninas, Camilla Vieira e Rodrigo Aragão, também participarão da entrevista.

“É uma boneca”, disse a mãe ao ver pela primeira vez a filha separadaHospital da Criança/Divulgação

Equipes durante a cirurgia: amarelo para Mel e rosa para LisHospital da Criança/Divulgação

As meninas viraram o xodó do hospitalLuci Vânia/ Foto cedida pela família

Hora do agradecimento: equipe do hospital com a família Igo Estrela/Metrópoles

Rodrigo Martins, o pai, mostra tatuagem feita em homenagem às gêmeasIgo Estrela/Metrópoles

Casal acompanha a recuperação das filhas Igo Estrela/Metrópoles

O ponto de ligação entre as gêmeas permitiu que elas crescessem saudáveisLuci Vânia/Foto cedida pela família

Pais afirmaram que médicos são anjos enviados para acompanhá-losIgo Estrela/Metrópoles

Camilla e Rodrigo: “Peço que as pessoas continuem rezando pela recuperação delas”Igo Estrela/Metrópoles

Mel e Lis eram unidas pelo lado direito da cabeça e, para que fossem separadas, foi necessária uma operação de alta complexidade que durou cerca de 20 horas, no centro cirúrgico do Hospital da Criança de Brasília.

Depois do procedimento de separação, chefiado pelo neurocirurgião Benício Oton de Lima, as gêmeas foram mantidas em coma induzido para que recobrassem os sentidos naturalmente. “É parte do protocolo, para que elas se recuperem da intervenção cirúrgica em segurança”, esclareceu o médico durante entrevista coletiva que detalhou como foi a separação das meninas.

O momento em que a mãe viu as filhas separadas – Mel saiu primeiro do centro cirúrgico – foi de grande emoção. “Olhei minha filha e ela estava perfeita. Igual a uma boneca”, afirma Camilla. Lis foi a primeira a despertar depois da anestesia. No fim da tarde daquela segunda-feira (29/04/2019), ela já não estava mais entubada.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que deve ser feito com os prédios abandonados de Maceió que oferecem riscos à saúde pública e à vida das pessoas?

73.2%
26.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp