15/05/2019 às 14h32min - Atualizada em 15/05/2019 às 14h32min

Médico alagoano embarca à Israel para estudar doenças raras

Hemerson Casado integra delegação brasileira que vai prospectar projetos sobre ELA

- Fonte: Gazetaweb
Médico alagoano embarca à Israel para estudar doenças raras FOTO: DIVULGAÇÃO

O cirurgião cardiovascular e portador de ELA, Hemerson Casado, embarcou para Israel, na quarta-feira da semana passada (8), para prospectar parcerias e projetos relacionados à Esclerose Lateral Amiotrófica. 

O ativista integra a delegação brasileira de pesquisadores que foram convidados pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para a missão internacional. O presidente do instituto que leva o seu nome explica que está muito feliz com o convite e que pretende trazer novidades que deverão beneficiar os portadores com doenças raras no Brasil. 

 

PROGRAMAÇÃO

Durante oito dias, o médico vai visitar centros de pesquisas e universidades nas cidades de Jerusalém, Bersebá e Rehovot. "A minha visita às instituições tem três focos principais: diagnóstico, tratamento e busca por tecnologias assistivas", conta. A programação da viagem é vasta e também visa fomentar projetos para diagnóstico de câncer. 

A delegação brasileira foi recebida por pesquisadores israelenses para a celebração de acordos. Na Universidade Hebraica de Jerusalém, por exemplo, Hemerson se reúne com professores universitários e médicos, como Haya Lorberboum-Galski, pós-doutora em Bioquímica e Ithai Rabinowitch, professor titular da Faculdade de Medicina e PhD em Engenharia Industrial. A Universidade de Jerusalém está entre as 100 melhores do mundo e foi galardoada com cinco prêmios Nobel. 

PIONEIRISMO

A missão é iniciativa do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da UFRN. Em 2018, Hemerson se reuniu com o embaixador de Israel no Brasil, o diplomata Yossi Shelley. Na oportunidade, eles estreitaram os laços e discutiram possibilidade de parcerias e cooperações técnicas internacionais.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

O que deve ser feito com os prédios abandonados de Maceió que oferecem riscos à saúde pública e à vida das pessoas?

73.2%
26.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp